Dos tipos e da correta tributação dos parafusos

por | 5/fev/2018 | Informações | 0 Comentários

 

A origem do parafuso possui algumas versões, uma delas, direto da Grécia Antiga, aponta o inventor Arquitas de Tarento por volta de 428 a.C – 347 a.C. Ele desenvolveu o parafuso afim de ser utilizado em prensas para a produção de vinho e azeite de oliva. Desde então, muitos outros povos têm utilizado sua invenção com os mais diversos tipos de finalidades.

Os parafusos estão presentes em várias construções e objetos, desde às armações dos óculos aos aviões mais modernos. Existem para fixar, são utilizados na união não permanente de peças, isto é, as peças podem ser montadas e desmontadas facilmente, bastando apertar e desapertar os parafusos que as mantêm unidas. Eles se diferenciam pela forma da rosca, da cabeça, da haste e do tipo de acionamento.

Entre seus tipos, nota-se três principais pontos que podem ser diferenciados, a forma da cabeça, da ponta e do corpo. Através dessas diferenças, classificam-se os parafusos em quatro grupos: parafusos passantes, parafusos não-passantes, parafusos de pressão e parafusos prisioneiros.

Parafusos passantes:

Esses parafusos atravessam de lado a lado as peças a serem unidas, passando livremente nos furos. Dependendo do serviço, esses parafusos, além das porcas, utilizam arruelas e contra porcas como acessórios. Podem ter ou não uma cabeça.

 

Parafusos não-passantes:

São parafusos que não utilizam porcas. O papel de porca é desempenhado pelo furo roscado, feito numa das peças a ser unida.

 

Parafusos de pressão:

Estes parafusos são fixados por meio de pressão. A pressão é exercida pelas pontas dos parafusos contra a peça a ser fixada. Os parafusos de pressão podem apresentar cabeça ou não.

 

Parafusos estojo ou prisioneiros:

São parafusos sem cabeça com rosca em ambas as extremidades, sendo recomendados nas situações que exigem montagens e desmontagens frequentes. Em tais situações, o uso de outros tipos de parafusos acaba danificando a rosca dos furos.

No Estado de São Paulo, os parafusos utilizados para construções estão incluídos na Substituição Tributária. Sejam eles de ferro, aço, alumínio ou cobre, suas alíquotas do ICMS serão de 18% (ST).

Para mais informações, entre em contato através do telefone (19) 4141-6943.

Matérias Relacionadas